quarta-feira, 26 de julho de 2017

Os mais legais avôs e avós


Dia 26 de julho é comemorado o Dia dos Avós. Isso se deve ao fato de haver reminescência com o dia de Santa Ana e São Joaquim, os pais de Maria e avós de Jesus Cristo.

Creio que avós são um tipo de parente muito especial, dizem que você só aprende a ser pai e mãe de pois que vira avô, acho que porque pega a parte divertida da criação. Você já disse nãos, já botou limites, deu palmadas, já moldou o caráter dos filhos, já encaminhou eles para a independência e futuro, logo já pode relaxar e curtir a vida. Além da companhia dos netinhos, pode fazer mais piadas e ser menos rígido. Aliás, já dizia o velho ditado do mundo que os pais educam, os avós deseducam. No bom sentido. Os avós tem um colo especial, uma espécie de mágica e comida especial que aliviam as dores e inflam otimismo. Por sinal, comida de avó tem uma coisa que você não fica satisfeito até estar com a barriga cheia.

Eu pessoalmente me vejo mais como avó do que como mãe. Se bem que pra ser avó primeiro tem que ser mãe, então buga algo na cabeça. Contudo, pelo dia, selecionei algumas das vovós e vovôs mais legais. Alguns talvez não sejam propriamente avós de sangue, mas seu jeito sugere tanto esse carinho que não dá pra não mencionar. Aos que tem seus avós ou que tiveram e sentem saudade, deixo minha singela homenagem.


01. Vó Tala - Moana

"Se você não quer levar a culpa, fala que foi o porco". Essa relação me emocionou, porque talvez desde sempre Tala viu que Moana tinha algo dentro de si que ia além do que queriam que ela fosse. Ela era a louca da vila, sempre dançando na água com as arraias iguais a sua tatoo (cara, isso já faz dela uma vovó super moderna). Ela não se importava de incentivar Moana a seguir seu coração mesmo que isso fosse contra as ordens de seu pai (avós deseducam XD), inclusive dizia que obediência é importnte mas não se deve deixar de seguir seus sonhos por isso. Ela foi a que disse para que Moana fosse para o oceano atrás de Maui, dizendo que estaria com ela onde quer que fosse inclusive a cena do espírito dela encontrando a neta e dando força tocou fundo na alma.


02. Vovó Funny - Doug Funny

"Quer mais bolo Doug? Não sabia se gostava mais de calda de chocolate ou morango no sorvete por isso trouxe as duas". Segundo Doug não havia nada mais legal que uma temporada na casa da vovó Funny, com tanto mimo não é difícil entender porquê. Essa visita de pucos dias deu origem a um dos episódios mais engraçados do desenho, afinal com tantas guloseimas Doug ficou tão rechonchudo que precisou encarar uma dieta e exercícios pra entrar em forma. Creio que a vovó Funny mostra um lado bem comum às avós: a de deixar os netos comerem mais besteiras do que o normal, é um modo de demonstrar carinho afinal, para elas cozinhar é um ato de amor para com o outro.



03. Vovôs Bucket - A Fantástica Fábrica de Chocolate

Vovô Jorge, Vovó Georgina, Vovó Josefina e em especial, Vovô Joe. Devo dizer que mesmo tendo duas versões destes simpáticos senhores (a antiga e a atual), nas duas é conservada aquele carinho para com o netinho mesmo com tantas dificuldades financeiras. Na versão antiga, contudo alguns aparecem menos e são mais calados, mas as avós demonstram grande consideração tricotando parte de um cachecol para Charlie. Na versão atual, vovô Jorge é mais bravo e resmungão mas ainda com grande amor pra dar e incentiva Charlie a ir a fábrica. Vovô Joe na versão antiga é meio como que o pai de Charlie, o protege, dá esperança e se supera para acompanhá-lo até a fábrica. Os vovôs Bucket são o quarteto de velhinhos que qualquer criança e até adulto gostaria de ter por perto pra chamar de vovô e vovó.


04. Vovó Willow - Pocahontas

Antes da Vó Tala voltar como uma arraia, vovó Willow voltou como uma árvore. Em muitas culturas acredita-se que pessoas queridas podem voltar como animais ou outros elementos da natureza, logo a "avó" de Pocahontas voltou como uma árvore. Ela diz que tem 200 anos, logo é um espírito bem antigo e não poderia ser por parentesco avó, porém é dito que a própria mãe de Pocahontas foi até ela buscando conselhos sobre como encontrar o caminho e a filha também o fez posteriormente. Sendo uma árvore antiga ela já viu muito, está conectada com a terra e consegue ver além do material, não á toa que a netinha Pocahontas sempre se aconselhou com ela.


05. Vovó Fa - Mulan

Essa senhorinha sorridente não descansou até provar que Gri-li dava sorte e o entregar para Mulan no dia em que ela foi até a casamenteira. Ela mesmo estando meio como que de lado, não falando muito durante o filme, pediu proteção pra sua neta quando ela fugiu de casa, ficou surpresa quando Shang adentrou sua casa, ela era a pessoa mais engraçada da família e contagiava a todos com isso.


06. Olenna Tyrell - Game of Thrones

"Então você nega que seu neto tenha tais condutas com outros rapazes?" "De forma alguma, ele é um engolidor de espadas de cabo a rabo." Olenna Tyrell era conhecida por seu sarcasmo e respostas dadas na lata de quem quer que fosse. Ela não tinha medo de peitar os manda chuvas, ficou conhecida como a Rainha dos Espinhos porque mesmo tendo a rosa como símbolo não significava que não podia ser afiada. Pelos netos, ela não hesitava em partir pra cima se a causa fosse certa e direita, se fosse pra protegê-los de real perigo. Ela era astuta e muito inteligente, não a toa que discutia política tranquilamente e numa época em que homossexualidade era pecado e até doença, falar tão naturalmente sobre o neto sem o menor pudor ou vergonha demonstra amor incondicional.


07. Vovó Carmen - Chocolate com Pimenta

Essa é para os noveleiros de plantão. Vó Carmen era interpretada por Laura Cardoso na novela Chocolate com Pimenta. Ela era forte, criada na roça, mas ao mesmo tempo doce e sábia. Ela aconselhava a todos, protegia e estava sempre acalentando sua neta Ana Francisca. Ela tinha também aquilo de cozinhar e reunir todos a mesa. Uma das cenas foi quando ela fez um bolo, depois de tentativas mal sucedidas, todos estavam com medo de comer mas Carmen disse: "Se é pra experimentar o bolo, eu experimento, vó é vó", ou seja, avó tem essa coisa de apoiar e relevar erros dos netos mas sem deixar de educá-los e encorajar.


08. Tanana - Irmão Urso

Tanana não era avó de ninguém, mas de todos ao mesmo tempo. Era a xamã da aldeia de Kenai, a que trazia os totens para o ritual de iniciação, a que ia a montanha onde as luzes tocavam o chão e inspirava grande sabedoria. Todos a respeitavam e havia nela também um acolhimento e carinho para com os habitantes da aldeia, inclusive quando Kenai se transforma em urso, ela o mostra o que deve fazer. Uma luz no meio da escuridão.


09. Dona Benta - Sítio do Pica Pau Amarelo

Eis que de repente apareceu na minha cabeça que não podia faltar essa avó, uma das mais famosas do nosso país. Ela inclusive foi inspirada na própria avó de Lobato, cuja casa ele ía nas férias. Dona Benta foi interpretada por várias ao longo de décadas, porém ela sempre mostra o mesmo jeitinho e personificação: a daquela senhora sorridente, numa cadeira de balanço e coque apertado. Sempre primando pelo bem estar de seus netinhos, cuidando da casa e lógico, nunca deixando faltar bolinhos de chuva e guloseimas.


10. Dona Neves e Jaiminho - Chaves

Dona Neves era avó do Seu Madruga e a biscavó da Chiquinha. Com o rosto todo sardento, chorava, ainda que numa voz mais velha, igual a neta. Era meio metida a espertinha da mesma forma, mas sempre com muita energia e piadas. Sempre dava em cima do Jaiminho, o carteiro, outro senhor também com aquele ar de vovô, só que não muito ativo, pois sempre tentava evitar a fadiga.


E OS MEUS?

Vó Joana: Mãe da minha mãe. Sempre digo que avó é uma palavra que sinto falta de chamar, pois todas as minhas já faleceram. Mas devo dizer que todas deixaram seu legado. A vó Joana praticamente me criou, ela foi o exemplo de mulher forte, numa época em que feminismo nem era palavra o que dirá significado  mesmo sem ele, ela se separou de um marido que a maltratava e sustentou casa e filhos sozinha. A atração por artes manuais herdei dela. Cozinha e costura eram duas coisas que ela sabia fazer muito bem, aliás dar comida era uma das formas favoritas dela de demonstrar o quanto gostava de você. 

Vó Eulalia: Mãe do meu pai. Vó Eulalia era uma senhora que mesmo sem estudo deu lições valiosas para seus filhos e netos. Ela também cozinhava como os deuses e gostava das coisas simples da vida, era aquela senhora fácil de agradar e adorava cuidar da casa. Confesso que uma parte de mim também gosta muito e não é submissão ou humilhação nenhuma gostar disso. Mesmo sendo de origem simples, ela deixou uma das frases mais reflexivas e lição valiosa: "Meu filho, não fique com raiva, porque senão te dá aquela coisa feia e tu morre".

Vovozinha Ana: Tia da minha mãe. Também foi próxima, ela era um ser muito pequeno, era baixinha e magra, menor que eu, porém era um dos seres mais doces que já conheci. É emocionante saber que num ser tão pequeno havia tanta doçura. Não a toa que ela era uma doceira de mão cheia, com quem em grande parte aprendi a fazer bolos. Ela fez o bolo de casamento da minha mãe e o bolo do meu primeiro ano, num tempo em que as mulheres se juntavam nas festas e colocavam seus dons pra fora, ela tinha talento. Ela era uma pacificadora, a que procurava deixar todos bem, inclusive acreditamos que de tão boa ela não volta mais pra terra, simplesmente transcendeu.

Vô Walter: Pai da minha mãe. Vovô Walter é meio pavio curto, ele perdia a paciência facilmente, mas é muito bom e como é engenheiro, perco a conta de quantas coisas ele sabe fazer e me ensinou. Aprendi a fazer instalações elétricas, extensões e bocais com ele, ele me ensinou a furar a parede e também fazia tacos para que eu brincasse na praia. Ele trabalhou bastante na nossa casa de praia e botava a mão na massa, era a casa mais bonita da vizinhança e com isso aprendi muito. Especialmente sobre aprender a fazer as coisas por si mesmo.

Vovozinho Machado: Tio da minha mãe. Vovozinho foi meu professor de matemática até meu ensino médio. Ele também é muito inteligente e engraçado, seu apelido na juventude era Canário porque ele adora cantar e ele cantando Tim Maia é bonito e engraçado ao mesmo tempo. Ele sabe desenhar muito bem e projetar coisas, ajudou a fazer meu arco da Katniss e sempre está disposto a ajudar, como adora comer, sempre que posso mimo ele com comidas e guloseimas diferentes.

segunda-feira, 3 de julho de 2017

Emocionalmente indisponível? Será?




 “Estão aqui porque não conseguem um homem. Eu sei que vocês dizem que não querem um homem, que dizem que não precisam de homem, mas a verdade é que não conseguem um homem”.

Essa fala da Rochelle, de Todo Mundo Odeia o Chris, bem direta e clara, é uma forma ótima pra começar falando de um link amplamente difundido na linha do tempo do Facebook: 19 dificuldadesque só pessoas emocionalmente indisponíveis entendem. Segundo a matéria há vários pontos que o tornam emocionalmente indisponível, dentre os quais, dificuldade de lidar com sentimentos e não saber o que dizer diante de um “Eu te amo”, não nego que a medida que ia lendo, me subia uma angústia porque consegui facilmente identificar conhecidos que se encaixavam na descrição dada, assim como outros conhecidos que ouvia falar, porém já me desculpando com quem escreveu, lamento dizer que muitos dos casos descritos, as pessoas em questão não são “emocionalmente indisponíveis”, são literalmente FDP’s.

É importante frisar que esse FDP não é no sentido ruim ou de não ter caráter, mas tipo, não são pessoas que você sente vontade ou prazer de estar perto, elas não parecem gostar de outras pessoas, de conviver, não gostam sequer da tentativa de vínculo, por vezes sequer conseguem estabelecer vínculo e menosprezam o que importante para o outro sob a desculpa da indiferença, porque até um cachorro ou gato são mais evoluídos no sentido de contato, compreensão e de estabelecer um vínculo.

Emoções e sentimentos são coisas mesmo meio complicadas para alguns compreenderem, esses dois pontos têm muita relação com o modo como o indivíduo lida com o mundo, envolve pontes que este estabelece (ou escolhe estabelecer) com os demais, daí o fato de que muitos abusam do que se diz “grande racionalidade”.

Não há problema em usar a cabeça para a maior parte das coisas. O problema está no fato de que muitos sob a ótica de ser racional e não compreender a questão de ouvir as emoções acabam se tornando grandes depósitos de lixo em termo de relações. São pessoas que sob a desculpa de “emocionalmente indisponível” acabam agindo como se todo o resto do mundo fosse descartável ou simplesmente não importasse.

Existe muita diferença entre alguém ser fechado emocionalmente, não saber expressar seus sentimentos e não saber lidar com quem expõe os seus e alguém que deliberadamente age com indiferença e desprezo. E isso se torna mais evidente quando a pessoa em questão simplesmente se mantém num pedestal, intocável e fria, mesmo quando alertada sobre ações erradas que comete. Óbvio que muitos vão se defender afirmando que o fato desse fechamento é uma reação de proteção ao mundo, que pode tê-los machucado. É natural, o aprendizado vem de diversas formas e muitos optam por se fechar para o mundo temendo ferimentos futuros. Eu compreendo a questão das decepções, porém há o fato de que pessoas em volta também se dispõe a serem amigas e disponibilizam confiança, amizade verdadeira e carinho, contudo a pessoa, no casulo que construiu para si, não se dispõe a descer um elevador mesmo por quem atravessa um oceano por ela.

O fechamento e indisponibilidade pode com o tempo se tornar uma inaptidão de demonstrar gratidão, amizade ou consideração. E para quem convive com um “indisponível emocionalmente” é cansativo pois é como estar de frente para uma constante parede que nunca o verá realmente ou entenderá como é. Diferente de uma relação por interesse, é mais como uma relação que não recebe estímulo para continuar existindo, logo ela definha. E talvez isso ocorra com muitos que são da forma como o post descreveu, mas acredito que estudar as pessoas e ver com quem você sente, com quem tem real compatibilidade e prazer de se aproximar sempre é uma atitude válida e em muitos casos, necessária a fim de evitar danos a você mesmo ou sofrimento por quem não corresponde seus sentimentos de amizade e contato.


Em termos de emoção, é importante sentir o quanto há de prazer e compatibilidade com relação a pessoa a quem o sentimento é destinado, o quanto há de investimento de ambas as partes, o quanto cada um se disponibiliza a ir em nome disso e saber identificar quando a indisponibilidade emocional e certo fechamento não se transformou em pura indiferença. Afinal, ser “Indisponível emocionalmente” é bem diferente de ser “Socialmente inapto”.

domingo, 2 de julho de 2017

DIY Unhas Romeu e Julieta


Eu já tinha visto um estilo de unha chamado Filha única. O conceito consistia em pintar todas as unhas de uma cor e somente um dedo com uma cor diferente. Como eu sempre gosto de usar diversas cores de uma vez, inventei esse estilo que se chama de Romeu e Julieta. É uma variação da Filha única, pois é como cada mão tem uma cor e uma cor diferente entre elas. Tal como Romeu e Julieta é uma pessoa diferente no meio de outros iguais.

1. Primeiro pintei com uma base incolor, depois de serrar e tirar a cutícula.


2. Pintei de uma cor todos os dedos exceto o dedo anular, o dedo da aliança. Eu usei o Inveja, do Tom Vivo, mas você pode usar as duas cores que desejar e achar que fiquem mais bonitas. Eu creio contudo que as de tons opostos são melhores.


3. Na outra mão pintei com o esmalte Amante, também do Tom Vivo


4. Na unha que ficou em branco é só pintar com a cor contrária




5. Finalizei com um super glitter



6. É só limpar os cantinhos e pronto!





segunda-feira, 26 de junho de 2017

Receita Pizza Californiana com massa fit


De início quando pensei nessa receita me veio na cabeça a pergunta: "A que ponto chegamos?" A verdade é que nunca tinha ligado muito pra essa questão de receitas ditas "fitness". Na minha cabeça, além de ser uma coisa diferente, era estranho, uma farsa até. Como é que se pode fazer arroz de brócolis sem arroz? Ou doces sem açúcar? Ou pizza sem calabresa? O ponto é que comecei a pensar mais nisso desde que olhei no espelho e decidi que precisava me cuidar um pouco mais.

Devido períodos longos de stress, me negligenciei, tanto no quesito alimentação quanto exercícios. Fora que os cosplays já não estavam com um caimento bacana ao meu ver. Além de tudo isso, algo no meu próprio paladar mudou. Os sanduíches do fast food já não pareciam tão apetitosos, não importava onde eu comesse, os doces tão deliciosos enjoavam depois de algumas garfadas e mesmo a sopa leve do buffet dava um gosto ruim na boca depois. Daí começou a pipocar opções leves e mais saborosas, uma coisa de fazer em casa o próprio rango, do nosso jeito e que cá entre nós, economiza um bocado. 

Uma dessas receitas foi essa pizza adaptada, a massa é uma receita da blogueira Cassey Ho, eu só fiz adaptar pra uma pizza mas dá pra fazer outras coisas com essa massa base. 


INGREDIENTES:
- Dois ovos
- Uma banana
- 1 pote de cream cheese
- 200g de peito de peru
- 200g de mussarela ou outro queijo de sua preferência
- Sal a gosto
- Azeite para a frigideira

1. Bata a banana com os dois ovos até ficar uma massa homogênea. Adicione sal a gosto, se preferir não adicionar, a pizza fica com um fundo adocicado

2. Em uma frigideira, coloque um fio de azeite e espere esquentar, dependendo do tamanho da pizza que você deseja fazer, essa medida pode dar mais ou menos unidades. Eu fiz duas brotinhos.

3. Quando despejar a massa, espere dourar bem antes de virar

4. Uma vez que os dois lados estejam dourados, comece montando a pizza primeiro com cream cheese, depois peito de peru e termine com queijo

5. Ponha no microondas pra ficar quentinha e o queijo bem derretido.

6. Bom apetite!


quinta-feira, 22 de junho de 2017

DESENHOS DE ANTIGAMENTE vs CRIANÇAS DE HOJE EM DIA


O Scar era gay? Havia nudez em El Hazard? Violência extrema em Tom e Jerry? Aparece mesmo um trangênero no Bucky? Há muitas polêmicas envolvendo os desenhos antigos e muitos argumentos do porque não se deve passá-los para as crianças hoje. Mas com todo o aparato, mundo cheio de informações, as crianças de hoje em dia não deviam supostamente ser mais espertas que as de antes, que mal tinham uma TV? Enfim, o fato é que uma geração viu "coisas inapropriadas" e ninguém se traumatizou. É um pesar que desenhos não passem mais em TV aberta, cabe aos das gerações mais antigas não deixar que aqueles mitos morram. Espero que curtam o vídeo!





domingo, 18 de junho de 2017

One Piece Makeup Inspired/Maquiagem inspirada em One Piece - Nico Robin


Hoje o look é da arqueóloga Nico Robin! Ela é bem misteriosa, inteligente, elegante, também tem o poder da Akuma no Mi e sua história tem uma lição muito bonita para todos nós. Ela foi hostilizada a vida inteira, desde criança. Hostilizada por crianças de sua vila, pelos adultos, pela tia, mas era muito inteligente e tratou de investir em seus estudos, conseguindo um doutorado com 8 anos de idade. Contudo, quando o gigante Saulo foi parar lá, no momento em que a ilha estava sendo atacada ele disse "Robin, o mar é vasto, um dia você vai encontrar amigos que vão proteger você. Em suma, não importa quanto tempo passe, o mundo é grande demais e um dia você acha pessoas que estarão dispostas a olhar pra você e fazer você se sentir especial, pessoas que vão fazer tudo por você e você estará também disposta a fazer tudo por elas. Então espero que gostem!





PRODUTOS:
  • PELE
- Primer acetinado Lebruce
- Base Avon Ideal Shade compacta cor Bege Natural
- CC Base em pó Ultramate Avon cor Bege Natural
- Blush rosa antigo
  • OLHOS
- Potencializador de sombras O Boticário
- Sombra Mary Kay Navy Blue
- Paleta de 88 cores matte
- Máscara de cílios Avon Super curvas Extra Volume
- Delineador Avon Color Trend azul metálico
  • LÁBIOS
- Batom Hazzle cor lilás










segunda-feira, 12 de junho de 2017

Deixem Santo Antônio em paz


Há uma história de uma moça que todo ano religiosamente fazia promessas e culto a Santo Antônio. Eram rosários, trezena, velas, ano após ano na esperança de que um dia o santo lhe trouxesse um namorado e que isso chegasse ao altar. Contudo, o namorado não vinha e em um ano, tomada pela frustração e raiva, a moça pegou a imagem que tinha de Santo Antônio e jogou pela janela. Um rapaz que passava embaixo no momento que a imagem caiu foi acertado em cheio na cabeça. A moça vendo aquilo foi ajudar o rapaz e nisso se conheceram e se casaram.

Há quem diga que foi Santo Antônio quem ajudou mas talvez o que tenha acontecido foi que a moça tenha aprendido uma lição primordial quando se trata de casamento: a não cobrança. Pelo menos no sentido de sempre querer algo do seu próprio jeito, sem se importar como será feito ou como conseguir. Talvez ao perceber que não se podia cobrar incessantemente de um santo, um ser supremo que pelo imaginário pode resolver todos os seus problemas, a moça da história estivesse pronta pra perceber que também não se pode cobrar milagres de uma pessoa comum.

Todo ano perto do Dia dos Namorados, a prerrogativa é a mesma: Santo Antônio buscado incessantemente por moças querendo um marido. E se ocorre um casamento em meados de junho, na hora da noiva jogar o buquê e o Santo Antônio (isso é inédito pra mim) não raro de ver moças disputando de tal forma que as filmagens vão parar nas vídeo cassetadas. Vestidos se rasgam, pulseiras arrebentam, cabelos são desfeitos... daí os objetos são colocados em um altar e a cada olhada direcionada a eles existe uma cobrança velada, como se pelo trabalho de tê-los conseguido eles lhe devesse o tão acariciado sonho.

Devo ressaltar que não vejo rapazes brigando por buquês, salvo casos quando se ganha uma garrafa de whisky. Eu tenho uma teoria particular para isso, não é o caso dos rapazes não quererem casar, é o caso que eles quando o querem, o fazem com uma moça que mostre o real e concreto significado de casamento: companheirismo, cuidado, parceria e amor. E para coisas assim é necessário mais do que brigar por um buquê, de alguém que já encontrou sua pessoa e que estará murcho em poucas semanas.
Mesmo que pareça, não é crueldade. De onde muitas dessas moças vieram eu já tenho doutorado. Sei como é viver ano após ano recorrendo a simpatias, crenças, barganhando com Santo Antônio, desejando um sonho devaneiado que nunca chegaria a ser realidade. E o pior, me esquecendo do mais importante: evoluir enquanto pessoa, amadurecendo e percebendo se quem estava do meu lado também apresentava amadurecimento para um passo desses. E quando percebi que não, o sonho se quebrou em mil pedaços e veio não propriamente a revolta e descrença com Santo Antônio, mas a desolação de que nada adiantavam as barganhas se não modificasse a mim mesma.

E lamentavelmente, é notório que muitas estão nessa vibe. Pegam a imagem, botam de cabeça pra baixo, botam no congelador, botam no congelador de cabeça pra baixo, tiram o Menino Jesus... Para quem não sabe, Santo Antônio também é o santo que cuida das finanças, logo ele devia ser tratado com mais respeito. O problema maior é que muitos fazem isso, porém permanecem presos a valores de egoísmo, crendo que um relacionamento é uma via de mão única. Pode não parecer, mas amor não é de graça e casamento ou namoro são coisas que não se sonham sozinhas.

Amor é uma coisa que exige muito de todos nós. Não exigências fúteis, mas a exigência de sempre olhar para si mesmo e se perguntar se está se evoluindo a cada dia, se está se dando e com isso multiplicando o que se tem. Amor é uma planta que é muito bonita, mas não pode simplesmente ser deixada ao relento, é preciso cuidados para que ela cresça e fique melhor. Casamento ou namoro também é assim e por isso que para muitos é difícil entender e aceitar que não há barganha nem bagatelas, Santo Antônio ajuda, mas ainda depende muito do que seu coração tem de melhor e o que você tem a oferecer.


P.S: Feliz dia dos namorados!